... nossos papermodels são "bolhas" para slotcar na escala 1/32.
São desenvolvidos sob contrato, e os arquivos não estão disponíveis para download.
As carrocerias são comercializadas apenas montadas, a R$20,00 a peça, "in our local store".
contatos:

motorworks@gmx.com

... amigos ...

outubro 06, 2010

... começou...

... e é irreversível.
mais detalhes em http://www.formulec.org/

também prefiro o cheiro da gasolina e o maravilhoso ronco dos motores.
mas o futuro tá aí.
e o bicho até que é bonitinho (o carro, não o piloto)
uma curiosidade: o protótipo EF01 foi desenvolvido em parceria com a Brawn GP.

Formulec - Premiers tours de roues


7 comentários:

  1. hehehe, o pessoal do autorama vai amar.

    ResponderExcluir
  2. Tito, realmente, o "gargalo" dos elétricos ainda é a bateria.
    25 minutos em corrida, 1 hora e meia de recarga.
    mas dá para fazer provas em duas baterias, de vinte minutos, com substituição das baterias entre as baterias.(parece aquele papo maluco do tem que fazer porque tem que fazer).
    vejo como problema para os veículos elétricos o descarte das baterias que não funcionam mais, já que são produtos altamente tóxicos.

    ResponderExcluir
  3. diferentemente das baterias de chumbo, as baterias de íon-lítio não produzem gases tóxicos, e são 100% reciclaveis, além de não perderem a carga quando não utilizadas.
    e já conseguem fornecer uma autonomia de mais de 200 km para um veículo em uso normal.
    e acho que, como nos celulares, nada impede que voce tenha mais de uma, para substituir em caso de emergencia.
    e o comprador de um veículo elétrico é um cara consciente,não descartará a bateria em qualquer lugar, encaminhará para reciclagem, no mínimo, para não perder dinheiro.

    ResponderExcluir
  4. Naturalmente, também prefiro o cheiro da gasolina e o ronco dos motores.
    Mas, temos que olhar pra frente.
    Como diz Mano Menezes, a fila anda.

    ResponderExcluir
  5. Tópico interessante.
    O início das competições com elétricos naturalmente vai trazer grande agilidade no desenvolvimento de baterias e sistemas de recarga.
    Talvez seja possível usar algo tipo o KERS para recarregar as baterias, aumentando assim a autonomia.
    As provas de longa duração com certeza trarão a solução para este problema.

    ResponderExcluir
  6. Rapaz, pensei que este assunto seria muito discutido.
    Interesso-me muito pelo desenvolvimento dos elétricos.
    Uma pena, parece que o pessoal daqui não dá lá muita importancia.
    Mas podemos continuar a troca de informações via email, gostaria muito, já que parece que você tem o mesmo entusiasmo pelos elétricos que eu.
    Meu objetivo, no momento,é comprar uma das novas scooters elétricas.

    grande abraço.

    ResponderExcluir
  7. oi, Josué.
    fizemos o balão de ensaio acreditando que o pessoal ia detonar, mas foi quase que completamente ignorado.
    sim, acompanho com enorme interesse o desenvolvimento dos elétricos, desde os meus tempos de aluno do senai.
    não posso concordar que os caras usem as vastas areas de terras agriculturáveis para a produção do etanol, quando precisamos desesperadamente produzir alimentos para a população do planeta.
    acho que a produção dos biocombustiveis é ainda mais danosa ao meio ambiente do que o uso de combustiveis fósseis.
    onde tem cana, nada sobrevive.
    os emails estão aí no lado direito.

    ResponderExcluir